Juazeiro do Norte. Iniciadas na última segunda-feira em todo país, as manifestações dos caminhoneiros contra o aumento do combustível ganharam apoio neste Município, na noite desta quarta-feira (23). Aproximadamente 50 veículos paralisaram o trânsito na Avenida Padre Cícero, em frente ao Hospital Regional do Cariri,  em seguida, partiram para Avenida Leão Sampaio (CE-060), que dá acesso à Barbalha. O bloqueio foi parcial e uma das faixas foi liberada pelos manifestantes.

Foto: Antônio Rodrigues
Por volta das 19h30, deu início a manifestação. Um caminhão ajudou a bloquear a avenida junto com vários carros, que deixaram o pisca alerta ligado, chamando atenção de quem passava no local. Uma longa fila de veículos se formou. Alguns, buzinavam em apoio ao protesto. A Polícia Rodoviária Estadual esteve lá, mas não registrou nenhum incidente.

Motoqueiros, caminhoneiros e motoristas que trabalham no serviço Uber estão se mobilizaram através das redes sociais. O grupo promete reunir cerca de 300 veículos e paralisar os postos na tarde do próximo sábado (26), a partir das 16h30, com concentração na Praça do Giradouro.

De acordo com o motorista Márcio Vital, um dos manifestantes, o movimento busca chamar atenção da população para os sucessivos aumentos no preço de gasolina. “Se você botar um litro, não anda 10 km e gasta cinco reais. A valor está abusivo demais. A renda diminuiu muito. Está difícil, principalmente, para quem vive do transporte”, lamenta.

Já o empresário Cláudio Gondim destaca que, além do combustível, também houve um aumento no imposto sobre circulação de mercadorias e prestação de serviços (ICMS) que encareceu o trabalho dos motoristas. “Isso refletiu em todo mundo. Não é o fato de não ser caminhoneiro que não sensibilize por eles. Tudo que vem para minha empresa vem de caminhão. Se a gente não fizer alguma, quem é que vai fazer?”, provoca.

Fonte: Diário do Nordeste

 
Top