O Estado do Ceará perdeu quase seis mil linhas de banda larga fixa no mês de março deste ano. Com 5.863 cancelamentos, foi o segundo estado do País em número de linhas a menos, de acordo com dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), atrás somente de Santa Catarina (-8.322).

De 744.320 linhas ativas em fevereiro, o Ceará fechou março com 738.457, o que representou redução de 0,79%. O estado de Santa Catarina, que somou o maior número absoluto de cancelamentos, teve queda de -0,60%, saindo de 1.391.644 linhas para 1.383.322 em março.

O resultado vai na contramão do que foi percebido no restante do País. A Nação encerrou o terceiro mês do ano com crescimento de 0,94% nas linhas de banda larga fixa, saltando de 29.411.953 milhões de pontos em fevereiro para 29.689.814 milhões em março, acréscimo de 277.861 novas linhas.

O destaque positivo do Brasil em números absolutos foi o estado de São Paulo. Conforme a Anatel, 93.649 linhas foram ativadas no terceiro mês deste ano, representando avanço de 0,93%, ao sair de 10.116.820 milhões de linhas para 10.210.469 milhões.

Em seguida, aparece o estado de Minas Gerais. Lá, 72.789 novas linhas de banda larga fixa foram ativadas em março. Percentualmente, isso representou acréscimo de 2,48%, saindo de 2.939.053 milhões de pontos ativos para 3.011.842 milhões.

Aumento

No comparativo dos últimos doze meses, entre março de 2017 e março de 2018, praticamente todo o País registrou crescimento no número de linhas de banda larga fixa ativas.

De 27.262.063, o País avançou 8,91%, atingindo o número de 29.689.814 pontos funcionando, acréscimo total de 2.427.751 acessos.

O Ceará obteve o sétimo maior crescimento do País no período em número absoluto. No terceiro mês do ano passado o Estado ostentava 615.704 linhas. Até março deste ano ganhou mais 122.753 unidades.

Percentualmente falando, conforme a Anatel, o avanço cearense de 19,94% mais linhas no período, foi o terceiro maior do Brasil, superado somente por Maranhão (25,87%) e Rio Grande do Norte (22,39%).

Em 12 meses, o estado de São Paulo registrou mais 550.145 novos contratos de banda larga fixa (+5,69), seguido de Minas Gerais, mais 351.958 contratos (+13,23%), e Paraná, 237.124 novos contratos (+12,48%).

Regionais

Os provedores regionais foram responsáveis por 70% do aumento da banda larga fixa no País, saindo de 3.303.182 de contratos para 4.997.497 (+51,29%).
Além deles, a Sercomtel teve o maior crescimento percentual, com 92.876 novos contratos assinados (+55,23%), seguida pela TIM, com 88.421 (+25,85%) linhas novas ativadas.

A Oi, por sua vez, apresentou queda de 190.870 (-2,97%) nos contratos no período.


Fonte: Diário do Nordeste


 
Top