Julho Amarelo mobiliza para luta contra hepatites virais



Com informações da Assessoria de Comunicação / Governo do Estado do Ceará

A partir das 8h desta quarta-feira, 4 de julho, terá inicio a mobilização “Julho Amarelo”. A solenidade de abertura acontece no Centro Integrado de Diabetes e Hipertensão (CIDH), na Rua Silva Paulet, 2406, Aldeota, em Fortaleza. Durante todo o mês, diferentes ações ocorrerão como estratégia de mobilização contra a doença.

A mobilização envolve os 184 municípios do Estado e objetiva ampliar a oferta de teste rápido para as hepatites B e C nas populações prioritárias e intensificar a vacinação contra hepatite B (vacinas pentavalente e hepatite B) e A (vacina hepatite A) na população-alvo, bem como orientar a população quanto às medidas de prevenção e controle das hepatites virais e estabelecer e fortalecer parcerias com o objetivo de ampliar o alcance das metas propostas no Julho Amarelo contra as hepatites virais.

As hepatites virais são doenças provocadas por diferentes vírus hepatotrópicos que apresentam características epidemiológicas, clínicas e laboratoriais distintas. O modo de transmissão pode ser por via fecal-oral, relacionadas ao vírus A e E, e pela via sanguínea e sexual, relacionadas ao vírus B, C e D. As hepatites B e C são consideradas um problema de saúde pública pelo potencial de causar complicações hepáticas graves como a cirrose, o câncer hepático e até mesmo o óbito quando não tratadas em tempo oportuno.

Uma das principais ferramentas para a ampliação do diagnóstico da infecção para hepatite B e C é a oferta do teste rápido para as pessoas acima de 40 anos ou que apresentem alguma vulnerabilidade para contrair as infecções, como história de transfusão sanguínea antes de 1993, compartilhamento de material perfurocortante, usuários de álcool e outras drogas, múltiplos parceiros sexuais, entre outros.

A vacina contra hepatite B, disponível desde 1998 no Calendário Nacional de Vacinação do Programa Nacional de Imunizações (PNI), é ofertada para a população independentemente da idade ou condições de vulnerabilidade. Para a prevenção da hepatite B, o PNI também disponibiliza, desde 2012, a vacina pentavalente, que possui o antígeno de superfície da hepatite B (recombinante) como um dos componentes. A vacina é ofertada para crianças menores de um ano de idade. Já a vacina contra hepatite A, introduzida em 2014 pelo PNI, é fornecida para o público-alvo de crianças menores de cinco anos de idade.

Em estudo recente realizado pelo Ministério da Saúde, em parceria com a Organização Pan Americana de Saúde (OPAS) e o Center for Diseases Analysis (CDA), estima-se que há 657.000 mil casos virêmicos de hepatite C no Brasil. Com esse estudo e a disponibilização do tratamento para o vírus C, o Brasil aprovou um Plano Nacional de Eliminação da Hepatite C até 2030, com a proposta de diagnosticar 90% dos casos, tratar 80% e reduzir em 85% as mortes anuais. No Ceará, de acordo com a atualização semanal doenças de notificação compulsória, até a Semana Epidemiológica 25, encerrada em 23 de junho, este ano foram registrados 55 casos de hepatite B e 63 de hepatite C, com dois óbitos.

Na 63ª Assembleia Mundial de Saúde realizada em 2010, foi instituído o dia 28 de julho como o Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais. É uma data para mobilização mundial, nacional, estadual e local que busca envolver todas as esferas do governo e setores da sociedade civil na luta contra essa enfermidade. O diagnóstico precoce e preciso das hepatites virais permite um tratamento adequado, impactando diretamente na qualidade de vida do indivíduo e, consequentemente, impedindo que desenvolva complicações a longo prazo, reduzindo custos para a saúde e o risco de óbito para o paciente.