Cardiologista explica como identificar casos de AVC, angina e infarto

Foto: Ilustração

As doenças cardiovasculares como a hipertensão são cada vez mais comuns entre os 30 e os 40 anos de idade. Por isso, pessoas com esse tipo de problema normalmente desenvolvem uma preocupação ainda maior com a alimentação e com a saúde. Mesmo assim, nem todos estão livres dos riscos de sofrer intercorrências mais graves, como infarto, AVC e angina. Para piorar, grande parte das pessoas que estão prestes a sofrer com problemas desse tipo sequer consegue procurar atendimento médico ou mesmo pedir ajuda a tempo, por não saber identificar os sintomas.

"A beira de um infarto, as pessoas sentem mais do que apenas dores no peito. Muitas delas pensam, por exemplo, estar com problemas digestivos, mas na verdade estão sofrendo um ataque cardíaco. Por isso, acabam correndo um sério risco de morte”, esclarece Dr. Abrão Cury, cardiologista e clínico geral do HCor (Hospital do Coração).

Para identificar o AVC, angina e o infarto com antecedência, Dr. Cury explica que é preciso conhecer bem os sintomas de cada um desses casos. Segundo o cardiologista, os três tipos de problemas cardiovasculares ocorrem quando o sangue tem dificuldade de passar pelos vasos ou artérias, em função de entupimentos, estreitamentos ou mesmo rompimentos destas veias, nos casos mais graves.

“Embora ocorram por motivos parecidos, esses três tipos de doença possuem diferenças nos sintomas que apresentam e na intensidade com que se manifestam. Porém, todas causam sérios danos à saúde e exigem o máximo de cautela de quem é propenso a elas”, alerta.

AVC

O Acidente Vascular Cerebral (AVC), ou derrame cerebral, como também é conhecido, ocorre quando os vasos que levam sangue ao cérebro se rompem (hemorrágico) ou sofrem entupimento (isquêmico), o que paralisa a região cerebral onde a circulação sanguínea é interrompida. Esse processo pode levar à morte instantaneamente ou deixar graves sequelas na fala, nos movimentos da face e dos membros. “Esse problema pode ocorrer a qualquer hora e em qualquer momento, inclusive durante o sono. Por isso, ficar atento aos seus sintomas é ainda mais importante”, diz.

Entre os principais sintomas de AVC estão a diminuição ou a perda súbita da força no braço ou perna de um lado do corpo, alteração súbita da sensibilidade com sensação de formigamento na face, braço ou perna de um lado do corpo, perda súbita de visão em um ou nos dois olhos, alteração aguda da fala, dores de cabeça intensas, entre outros.

Angina

A condição surge quando há um estreitamento nas artérias que irrigam o coração. Isso limita a passagem de sangue até o órgão e gera uma deficiência no suprimento de nutrientes e oxigênio que deveriam ser destinados a ele. As dores sentidas com esse problema são, justamente, um sinal de que o coração está recebendo menos sangue do que deveria.

Os sintomas de angina são basicamente dores intermitentes ou pressão e grande desconforto no peito. Enquanto a pessoa se movimenta ou pratica atividade física, a dor torna-se ainda mais intensa. Já em situações de repouso, a dor diminui. Em alguns casos, porém, o desconforto pode ser grande, mesmo quando a pessoa descansa ou está se preparando para dormir.

Infarto

Os infartos ocorrem quando parte do músculo cardíaco deixa de receber sangue pelas artérias coronárias. Esse processo pode levar o músculo afetado à morte e, geralmente, causa intensa dor no peito, como um aperto ou uma pontada que pode se alastrar para o pescoço, axila, costas ou braço esquerdo. “Em casos mais raros, essa sensação também pode ser sentida no braço direito”, afirma Dr. Cury.

Antes desses sintomas, porém, diversas outras sensações podem ser notadas de maneira prévia, como mal estar, enjoo, tontura, palidez, falta de ar, sensação grave de indigestão, suor frio, tosse seca, respiração rápida ou barulhenta.

Em casos mais específicos, também pode ocorrer dor no queixo, no colo, nas costas, peso no corpo e indigestão ainda mais forte acompanhada de uma sensação de obstrução na garganta. “Quando se conhece todos estes sintomas, é possível conseguir tratar o problema precocemente e contar com boas chances de recuperação”, orienta o cardiologista.

Primeiros socorros

Embora seja fundamental conhecer os sintomas de infartos, AVCs e anginas para poder evitá-los, Dr. Cury ressalta que também é importante saber como lidar com estes problemas no momento em que eles ocorrem. Por isso, o cardiologista tem algumas dicas sobre quais atitudes tomar em cada caso:

- Chame imediatamente uma ambulância (SAMU: 192/ Bombeiros: 193);

- Afrouxe as roupas do indivíduo. Em seguida abra o cinto e desaperte os botões da camisa e da calça;

- No momento do ataque, não deixe que a vítima fique sozinha e procure acalmá-la ao máximo;

- Não dê nada de comer ou beber ao indivíduo, somente a medicação cardíaca prescrita pelo médico, se houver;

- Caso a respiração pare, aplique a compressão torácica.

Fonte: Diário do Nordeste