Mesmo fora de casa, a torcida do Ferroviário compareceu em bom número e festejou o título.
(Foto: Reprodução / FAC)

Com ampla vantagem adquirida na partida de ida, o Ferroviário poderia até perder por dois gols de diferença que garantiria o título da Série D. E o jogo representou bem uma equipe que jogaria no campo defensivo, enquanto o adversário viria sedento pelo gol. O Treze até que buscou se organizar para diminuir a desvantagem, mas o único gol de Marcelinho Paraíba, marcado em uma penalidade na segunda etapa, não foi o suficiente. O título é mesmo do Ferrão, que volta a celebrar uma conquista depois de 23 anos.

Uma primeira etapa muito brigada. Com uma estratégia se bloquear as tratativas trezeanas, o Ferrroviário jogou no contra-ataque. Inclusive, até conseguiu arrancar com seus jogadores de velocidade, como Luis Soares e Sávio. Porém, a ansiedade atrapalhou e o time não soube aproveitar as chances. Enquanto isso, o Treze trabalhava com o seu trio de meias, Patrick, Leilson e Marcelinho Paraíba. Contudo, diante de uma marcação pesada, os Alvinegros não conseguiram chegar com tanto perigo, sendo obrigados a cruzarem em boa parte dos primeiros 45 minutos. No fim das contas, o empate sem gols resume bem o que foi a etapa inicial.

Na segunda etapa, o Treze se lançou ao ataque, enquanto o Ferroviário manteve a postura de permanecer precavido na defesa, esperando pelo contra-ataque. Diante disso, os trezeanos construíram as melhores oportunidades, mas só conseguiram marcar na bola parada. Em disputa de bola com Leilson, Gleidson triscou a mão na bola, pênalti! Na cobrança, Marcelinho Paraíba diminuiu e deu uma pequena esperança a torcida alvinegra. Contudo, era tarde demais, o placar da partida de ida foi muito grande. O Ferroviário controlou bem o restante do confronto e só aguardou o apito final para voltar a gritar "é campeão" depois de 23 anos.

Fonte: Globo Esporte

 
Top