Não pretendo mais estar ao lado do PT, diz Ciro Gomes antes de votar

Foto: Miguel Martins

O ex-ministro Ciro Gomes (PDT), candidato derrotado à Presidência da República no primeiro turno, disse neste domingo, ao votar, em Fortaleza, que fará oposição a qualquer um dos eleitos neste segundo turno. Em entrevista, ele reforçou que não pretende mais estar ao lado do Partido dos Trabalhadores (PT). Para ele, a complexidade do cenário nacional ficou de fora do debate eleitoral "marcado pelo radicalismo estreito".

"Minha posição é a mesma de antes. Se que quisesse aderir a alguma das duas forças eu teria feito antes. O Brasil precisa desesperadamente desarmar essa bomba da confrontação miúda que vem destruíndo a economia brasileira", afirmou.

"Faz quatro anos que o Brasil não para pra trabalhar, com a oposição rasteira e destrutiva. Mais de 13 milhões de desempregados, o empresariado colapsado com endividamento altíssimo, mais de 63 mil homicídios ao ano e o debate nacional marcado pelo radicalismo estreito e intolerante. Isso não é bom conselheiro para o futuro do País", completou o pedetista.

Cenário local

Apesar da defesa do afastamento em âmbito nacional, Ciro deixou claro que no Ceará, a relação do PDT com o governador Camilo Santana e o PT não mudam. "Tenho orgulho de vê o Camilo crescendo, o governador mais votado do País. Junto com o Cid, também mais votado. Todos estão na política para fazer serviço público. Ninguém pode querer ser raiz na política não. O caudilhismo só leva o País para trás, como estamos vendo agora", disse. Questionado se seria um recado para Lula, ele reagiu: "é recado para quem quiser ouvir".

Fonte: Diário do Nordeste