Após 29 dias internado no HRC acusado de roubo, furto e agressões contra a própria mãe morre vítima de disparos de arma de fogo

Foto: Arquivo 

Um homem que segundo a polícia, era acusado de roubo, furto e agressão física faleceu nesta terça-feira (29), em um dos leitos do Hospital Regional do Cariri vítima de disparos de ara de fogo. Gilvânio Leonardo de Lima, 34 anos que residia na rua Rui Barbosa, 1786, bairro Limoeiro, em Juazeiro foi lesionado a bala na noite do dia 29 de outubro último nas imediações da casa onde morava e socorrido ao HRC falecendo 29 dias depois. O corpo dele foi encaminhado ao Núcleo de Ciências Forense (Antigo Instituto Médico legal-IML) regional do cariri a fim de ser submetido a autópsia e posteriormente aos familiares para ser sepultamento.

De acordo o registro policial, no dia 01 de agosto de 2010 por volta das 16h30min, Gilvânio, foi preso em sua residência após ter sido denunciado à polícia militar de agredir fisicamente a sua mãe, Ester Leonarda De Lima, na época com 62 anos, além de ter subtraído da residência, um botijão de gás e a quantia de R$ 84,00 (oitenta e quatro reais).

A polícia diz que Gilvânio vendeu o botijão a Jane Cleide Barbosa da Silva, 18 anos, residente no bairro Timbaúbas que acabou presa acusada de receptação, enquanto que o rapaz foi autuado no artigo 157, combinado com a Lei Maria da Penha. A mulher após prestar esclarecimento sobre o a compra do produto furtado foi posta em liberdade.

Já no dia 30 de outubro de 2010 por volta das 17h, na rua Rui Barbosa, próximo ao numeral 1785, bairro Limoeiro, uma mulher de 30 anos, residente naquele bairro informou a polícia que mandou seu filho ir na mercearia próximo a sua residência comprar uma lata de óleo, quando o menino foi abordado por Gilvânio que subtraiu o dinheiro da criança. A mãe da vítima, ao tomar conhecimento do roubo, conseguiu localizar o acusado, e passou a agredi-lo. Na ocasião a polícia militar foi acionada e fez a condução de Gilvânio à 20ª DRPC, onde este foi autuado com base no artigo 157 do CPB.

O homicídio em que foi Gilvânio deverá ser apurado pelo Núcleo de Homicídios de Proteção à Pessoa da Delegacia Regional de Polícia Civil de Juazeiro do Norte, sob a coordenação pelo delegado Giovanni Aquino titular NHPP.

Fonte: Caririceara