Nova Olinda-CE: Casal é condenado a 45 anos de prisão pela morte de Ariosvaldo Sampaio

Fotos: Redes sociais 

O casal Rudney Moreira Menezes de Lima, 31 anos, e Clenia Maria Miranda Magalhães, 37 anos, acusado de assassinar o comerciante José Ariosvaldo Sampaio, conhecido como “Ari”, em 7 de abril de 2012, foi condenado, nesta quinta-feira, pela morte do comerciante. Após 11 horas de julgamento, o juiz Marcelo Wolney Alencar Pereira de Matos deu o veredicto do tribunal do Juri, realizado ontem, 6, no Fórum de Justiça da cidade de Juazeiro do Norte. Foram 23 anos de prisão em regime fechado para Rudney Menezes, e 22 anos de reclusão também em regime fechado para a sua mulher.

O crime

Segundo as investigações, provavelmente o comerciante foi morto no final da noite de sábado, 07 de abril de 2012, com uma facada profunda na garganta que chegou a degolar parcialmente o pescoço e um tiro que atingiu o ouvido direito da vítima e partiu de um revólver do calibre 38.

Entenda o caso

Segundo os autos do processo “Ari” teria um suposto caso amoroso com a Clenia, mas pretendia terminar contra a vontade dela. A acusada teria dito para o marido que estava sendo assediada por Ari e marcou o último encontro com o amante. O marido foi ao local e matou o comerciante motivado por ciúmes.

A prisão

De acordo com a polícia, inicialmente os acusados se refugiaram na cidade de Parnamirim no estado de Pernambuco, onde Clenia Miranda nasceu, mas, com medo de a polícia descobrir o esconderijo, os dois fugiram para Belo Jardim, também em Pernambuco aonde o casal foi preso na tarde do dia 13 de abril de 2012 [6 dias após o crime]. Na ocasião, de acordo com o processo, o casal já estava planejando viajar para São Paulo com objetivo de se distanciar ainda mais do local do homicídio. No momento que os policiais apresentaram mandado de prisão expedido pelo Juiz Rômulo Veras Holanda, da comarca de Nova Olinda a época, Clenia e Rudney não reagiram e se entregaram e confessaram o crime.

O julgamento

Ela não participou da sessão de julgamento, já ele acompanhou todo o trabalho do júri. A família da vítima usou as redes sociais para comemorar o resultado dizendo

“Não teremos Ari de volta, mas justiça feita ameniza os nossos corações aflitos, continuaremos lutando para que se cumpra [ a pena] e honraremos sempre o seu nome”

A pena

O Rudney Menezes permanece preso enquanto a Clênia Miranda perde o benefício da prisão domiciliar a qual estava gozando e terá de voltar a cumprir a pena no presídio.

Fonte: Site do Ranilson Silva